Sebrae aponta dados sobre solicitação de crédito por pequenos negócios

Recentemente, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), divulgou dados referentes às solicitações de crédito por pequenos negócios, o qual apontou um aumento de 18% para 38% somente no último semestre de 2020.

O resultado é um reflexo dos impactos da pandemia da Covid-19, que chegou com força total no Brasil no primeiro trimestre de 2020 afetando uma variedade de setores. 

Um dos principais afetados foi o setor econômico, que precisou se movimentar para tentar contornar a situação. 

E neste sentido, houve um crescimento de 35% no volume de crédito disponibilizado pelos bancos, por exemplo, em comparação com o mesmo período no ano de 2019, o montante foi de R$ 65 bilhões para R$ 87 bilhões. 

No entanto, esse aumento no total de financiamentos concedidos, não foi acompanhado pelo crescimento na quantidade de pequenos negócios tomadores de crédito. 

Isso porque, as Empresas de Pequeno Porte (EPP), entre os negócios envolvidos nesse cenário, foram as contempladas com o maior volume de crédito, recebendo 83% dos recursos disponíveis. 

Em segundo lugar estão as Microempresas (ME) com 12%, e na sequência os Microempreendedores Individuais (MEI) com 5%.

Por fim, o número final de pequenos negócios tomadores de empréstimo bancário teve um aumento de apenas 1%.

“Os dados indicam que, neste contexto, as empresas que conseguiram crédito já possuíam um relacionamento bancário e foram favorecidas por uma boa organização financeira”, explica o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Cenário de dificuldades

Na oportunidade, o levantamento do Sebrae, também informou que, mesmo diante de obstáculos históricos que se tornaram um impasse para a aquisição de financiamentos, 2020 foi marcado pela flexibilização das normas de concessão de empréstimos bancários, conforme alegado pelos próprios empresários. 

Em 2019, 69% dos pequenos negócios apresentaram dificuldades para obter empréstimos, contra 63% no ano passado. 

piramide

A busca por novos recursos financeiros feita por proprietários de empresas de pequeno porte, mais do que dobrou nas instituições bancárias brasileiras, 

Ao analisar a situação no ano de 2019, 18% dos empresários tentaram obter um novo empréstimo, e em 2020 esse número foi elevado para 38%. 

Neste sentido, o Sebrae informou que as empresas utilizaram todos os recursos disponíveis, especialmente no que se refere ao capital de giro. 

Pronampe

O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) foi o responsável por 55% dos novos empréstimos ou financiamentos disponíveis. 

O programa foi criado pelo Governo Federal com o objetivo de auxiliar as empresas no enfrentamento aos impactos econômicos decorrentes da pandemia da Covid-19. 

Ressaltando que aqueles empresários que alegaram dificuldades junto aos bancos também diminuíram significativamente, em especial diante das taxas de juros que foram de 44% para 18%, além da exigência de garantias que também reduziu de 20% para 11%. 

Por Laura Alvarenga